Bruins corta relações com Mitchell Miller por bullying racista

BOSTON-

O Boston Bruins decidiu no domingo rescindir sua oferta de contrato para prospectar Mitchell Miller, que foi dispensado dos direitos de convocação pelo Arizona por intimidar um colega de classe negro com deficiência intelectual na faculdade.

A equipe assinou um contrato de nível básico com Miller na sexta-feira, provocando críticas de jogadores e comentários do comissário da NHL, Gary Bettman, de que o jogador de 20 anos não seria elegível para jogar na liga.

O presidente da equipe, Cam Neely, disse em comunicado que os Bruins acreditam que o bullying de Miller contra Isaiah Meyer-Crothers foi um incidente isolado e um curso inverso com base em novas informações.

“Devemos aos nossos torcedores, jogadores, funcionários, parceiros e comunidade garantir que nossas práticas e protocolos sejam consistentes com a filosofia que exigimos de nós mesmos e como organização”, disse Neely. “Como tal, reavaliaremos nossos processos internos para selecionar indivíduos que desejam ganhar o privilégio de jogar na Liga Nacional de Hóquei do Boston Bruins”.

No início do domingo, o agente Eustace King divulgou um comunicado dizendo que a O2K Sports Management participou de sérias deliberações antes de decidir representar Miller, dizendo que o defensor trabalha e se voluntaria para organizações e está comprometido em mudar seus hábitos. King não respondeu imediatamente a uma mensagem na noite de domingo pedindo comentários sobre a decisão dos Bruins.

Boston optando por assinar Miller não foi bem com os jogadores, do capitão Patrice Bergeron para baixo. Bergeron disse que foi consultado sobre a possibilidade e estava “em cima do muro”.

“A cultura que construímos aqui é contra esse tipo de comportamento”, disse Bergeron. “Neste vestiário, somos todos sobre inclusão, diversidade, respeito.”

O atacante do Boston, Nick Foligno, chamou a contratação de “difícil de engolir”.

“Coisa difícil para a nossa banda ouvir”, disse ele. “Eu não vou mentir para você. Eu não acho que nenhum cara ficou muito feliz.”

Os Coyotes escolheram Miller na quarta rodada do draft de 2020, apesar de saberem sobre sua condenação por agressão em 2016. A equipe se separou de Miller em meio a críticas depois de saber mais sobre a intimidação.

A Universidade de Dakota do Norte anunciou um dia depois que Miller não estava mais no time de hóquei da escola.

Miller se declarou culpado aos 14 anos de uma acusação de agressão e uma acusação de violação da Lei de Escolas Seguras de Ohio. Ele e outro adolescente foram acusados ​​de fazer Meyer-Crothers comer doces depois de limpá-lo no mictório do banheiro, e o vídeo de vigilância mostrou-os chutando e socando.

A mãe de Meyer-Crothers, Joni, disse ao The Arizona Republic que Miller começou a intimidar seu filho na segunda série e usou epítetos raciais.

Miller enviou uma carta a todas as 31 equipes da NHL reconhecendo o que aconteceu e pedindo desculpas por seu comportamento. Joni Meyer-Crothers disse que Miller nunca se desculpou pessoalmente com Isaiah ou sua família, exceto em uma carta ordenada pelo tribunal.

“Quando eu estava na oitava série, tomei uma decisão extremamente ruim e agi de forma muito imatura”, disse Miller em comunicado. “Intimidei um de meus colegas de classe. Lamento profundamente o incidente e pedi desculpas ao indivíduo. Desde o incidente, passei a entender melhor as profundas consequências de minhas ações que deixei de reconhecer e entender há quase sete anos.”

Miller perdeu a temporada 2020-21 antes de marcar 39 gols e 44 assistências pelo Tri-City da USHL em 2021-22. Ele foi nomeado USHL Jogador e Defensor do Ano depois de estabelecer recordes da liga para gols e pontos por um defensor.

“Lamentamos que esta decisão tenha ofuscado o incrível trabalho que os membros de nossa organização estão fazendo para apoiar os esforços de diversidade e inclusão”, disse Neely, pedindo desculpas a Meyer-Crothers e sua família e dizendo que a equipe se opõe ao bullying e ao racismo. “Acho que há uma lição a ser aprendida aqui para outros jovens. Fique atento ao comportamento negligente e adote a mentalidade de grupo de ferir os outros. As repercussões podem ser sentidas por toda a vida.”